Arquivo da tag: negros

Cotas Raciais Discriminam! Sim ou Não?

 

cotas

Afinal, para que cotas raciais no acesso ao ensino superior? Será mesmo que elas violam a igualdade? Que elas reforçam o racismo? Que elas diminuem o nível da educação? Que elas afirmam a inferioridade do cotista?

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Direito Constitucional

60 anos depois do caso Brown, a segregação racial volta às escolas dos EUA (ou nunca deixou de existir)

Jim Crow in the Classroom: New Report Finds Segregation Lives on in U.S. Schools

 As the U.S. Supreme Court upholds a ban on affirmative action in Michigan and the country marks 60 years since the landmark decision of Brown v. Board of Education, we look at how segregation is still pervasive in U.S. public schools. An explosive new report in ProPublica finds school integration never fully occurred, and in recent decades may have even been reversed. Focusing on three generations of the same family in Tuscaloosa, Alabama, the story concludes: “While segregation as it is practiced today may be different than it was 60 years ago, it is no less pernicious: in Tuscaloosa and elsewhere, it involves the removal and isolation of poor black and Latino students, in particular, from everyone else. In Tuscaloosa today, nearly one in three black students attends a school that looks as if Brown v. Board of Education never happened.” We are joined by Nikole Hannah-Jones, whose article, “The Resegregation of America’s Schools,” is the latest in the ProPublica series “Segregation Now: Investigating America’s Racial Divide.”

TRANSCRIPT

This is a rush transcript. Copy may not be in its final form.

NERMEEN SHAIKH: The Supreme Court has upheld Michigan’s ban on affirmative action at state colleges and universities. The case centers on a 2006 voter referendum in Michigan that barred race- and sex-based preferences in admissions. An appeals court previously ruled the ban violates the Constitution’s Equal Protection Clause. But in a six-to-two decision, the Supreme Court overruled the lower court. The justices in the majority argued policies affecting minorities that do not involve intentional discrimination should be decided at the ballot box rather than in the courtroom. In her dissent, Justice Sonia Sotomayor argued, quote, “The way to stop discrimination on the basis of race … is to speak openly and candidly on the subject of race, and to apply the Constitution with eyes open to the unfortunate effects of centuries of racial discrimination.”

Tuesday’s ruling will likely bolster similar anti-affirmative action measures in several other states, and it comes as this spring marks 60 years since the landmark Supreme Court ruling ofBrown v. Board of Education, which was intended to end segregation in America’s public schools. But an explosive new report finds school integration never fully occurred and, in recent decades, may have even been reversed. “The Resegregation of America’s Schools” is the latest in an ongoing series by ProPublica called “Segregation Now: Investigating America’s Racial Divide,” and it focuses on three generations in the same family in Tuscaloosa, Alabama.

AMY GOODMAN: The report concludes that, quote, “while segregation as it is practiced today may be different than it was 60 years ago, it is no less pernicious: in Tuscaloosa and elsewhere, it involves the removal and isolation of poor black and Latino students, in particular, from everyone else. In Tuscaloosa today, nearly one in three black students attends a school that looks as if Brown v. Board of Education never happened.”

Well, for more, we’re joined by the author of “Segregation Now,” the whole series, Nikole Hannah-Jones. She covers civil rights for ProPublica, with a focus on segregation and discrimination in housing and schools.

We welcome you to Democracy Now! Congratulations on this remarkable series, and coming out now at the same time that the Supreme Court has backed a ban on race as a factor in college admissions. Before we talk about Tuscaloosa, if you could briefly comment on this idea that race shouldn’t matter when you look at the schools of America.

NIKOLE HANNAHJONES: Well, I think it’s very obvious, if you just look strictly at the facts, that we still have a racialized K-12 system and that black and brown students tend to be in schools where they’re receiving an inferior education. They have a less rigorous curriculum. They’re less likely to get access to classes that will help them in college, such as advanced placement physics, higher-level math. And they are most likely to be taught by inexperienced teachers. So, when you have this system where black and brown students are receiving a very different education than white students, and then once you get to the college level you say race no longer matters, and despite your disadvantage in a public educational system, that now we are all—everyone should compete at the same level, I think, in some sense, it’s just—there’s just a big disconnect between what’s happening on these two levels of education.

AMY GOODMAN: It’s interesting, Sonia Sotomayor, Justice Sotomayor’s dissent, very eloquent dissent, against Chief Roberts.

NIKOLE HANNAHJONES: Yeah, so, in 2007, Chief Justice Roberts wrote in a decision striking down voluntary desegregation orders in Seattle and in Louisville, Kentucky, and these were two districts that wanted to maintain integration in the schools because they understand the value of that for students as—I guess, really in terms of education. And what Chief Justice Roberts said, a very pithy response, the way to stop discriminating on race is to stop discriminating on race. And Justice Sotomayor definitely addressed that and said, “You can’t ignore the existence of race, and the way that you eliminate racial inequality is not to pretend that it doesn’t exist.” So, she was directly kind of addressing that response.

NERMEEN SHAIKH: Could you explain, Nikole—you said that minorities, black and brown students, receive an inferior education. Could you give a kind of overview of why that’s the case? Is it because of districting, where schools—what schools get what kinds of resources, etc.? Why is that the case?

NIKOLE HANNAHJONES: What’s often forgotten about Brown was Brown was really addressing the system of racial caste that we had then and that resources will really—

AMY GOODMAN: Explain what you mean by BrownBrown v. Board of Education.

NIKOLE HANNAHJONES: Oh, I’m sorry. Right, Brown v. Board of Education, which was the 1954 ruling, the landmark ruling that struck down the concept of separate but equal in schools. And what it understood was that resources follow white students in this country, that schools that have a significant percentage of white students get better teachers. They get better textbooks. They get better, really, curriculum. And so, today, that’s still the case. We have not eliminated that kind of connection between resources and race.

NERMEEN SHAIKH: So could you talk about what it is that prompted this study? This was a year-long investigation that you conducted. How did you come upon the topic and decide to research it in this way and focus on Tuscaloosa?

NIKOLE HANNAHJONES: Well, I had—prior to working on school segregation, I had spent nearly two years working on housing segregation and really looking at the federal failure—the 45-year federal failure to enforce the Fair Housing Act, and asking why, when we have a fair housing law, we still have so much racial segregation. And so, during the course of that, I became very interested in the connection between segregated housing and segregated schools, and I knew I wanted to do some reporting on school segregation, in particular.

And I focused on the South because, despite what a lot of people think, the South actually did desegregate. And it went from being completely segregated to, within a span of 40 years, even now, to becoming the most integrated region of the country. The South also educates the most black students. So you have the one region of the country that actually did desegregate, and they’re educating the most black students, and they are starting to now slide back on that. And so, to me, it was critical to write about the South first because that’s where we have the most to lose.

AMY GOODMAN: I want to go back to 2007. The Tuscaloosa School Board approves a redistricting plan then that further segregated black students. This is school board member Ernestine Tucker speaking in a video that accompanied the ProPublica investigation.

ERNESTINE TUCKER: My position was: We’ve rushed into this. We need more time. We need more research. But for the majority of the people on the school board, who represented the majority of the voters, it was OK. And I said to them, “We will experience the damage of this decision for the next 50 years.” I said, “It’s criminal, what we’ve done tonight.”

AMY GOODMAN: That was Tuscaloosa School Board member Ernestine Tucker. This is Shelley Jones, former chair of the Tuscaloosa School Board.

SHELLEY JONES: We have maintained a desegregated school system. There are all kinds of evidence that—that every day, I think, the board endeavors, yet today, to maintain that and to ensure that. Those who had doubts that this would—that desegregation and the Green factors would be maintained of desegregation, I think now they realize, in fact, yes, we do—we see it in action. It is taking place.

AMY GOODMAN: Former Tuscaloosa School Board Chair Shelley Jones from a video by Maisie Crow called Saving Central. Can you talk about the role of the school board in Central High? You know, it’s interesting, Central, because Central was also Little Rock, Arkansas.

NIKOLE HANNAHJONES: Right.

AMY GOODMAN: But you looked at Tuscaloosa.

NIKOLE HANNAHJONES: Right. So what brought me to Tuscaloosa, what I was interested in was the South had been reshaped largely because of federal court orders. So the courts had forced integration on the South, and it had been successful. And over the last 20 years, we’ve seen a lot of those segregation orders lifted by the courts, and what we found was that as districts lose their federal oversight, they do begin to resegregate. And Tuscaloosa has become one of the most rapidly resegregating school districts in the country. And that’s largely because of what the school board did with Central.

So, in 2000, when a federal judge released Tuscaloosa from its court order, the school board immediately voted to split up Central. And Central had been created by the court order. In 1975—or, excuse me, ’79, 25 years after Brown, Tuscaloosa still operated a virtually black high school and a white high school. And so, a court forced the merger of those two schools, and it created Central. And it was actually an integration success story. But because of fears of white flight, the board voted in 2000 to split apart that school, and they created three high schools—two integrated and one that was entirely black.

And so, what I really wanted to show with this report is that segregation is not an accident. And I think a lot of times we focus on, well, it’s just—you know, it’s natural, or it’s based on where people live. But the irony of Central High School is Central High School is actually located in an integrated neighborhood, but the white students right across the street from the school are gerrymandered into a district to go to an integrated school, and that Central was created as a black school by the intentional drawing of district lines.

NERMEEN SHAIKH: Could you explain, Nikole, why is it that federal judges have been lifting court-ordered segregation mandates? Because that’s obviously had an enormous effect on this resegregation.

NIKOLE HANNAHJONES: Right. I think part of it is—I mean, in the ’90s, the Supreme Court began to really roll back desegregation. And so, it made it much easier for school districts to get out from under desegregation orders. Prior to that, the Supreme Court had a very high standard, which was districts had to eliminate, root and branch, all vestiges of segregation. But by the ’90s, the court was saying that they only had to do it to the extent practicable. In other words, they didn’t actually have to eliminate it, but if they showed that they tried in earnest, then a court could release them. So, that started to happen. And then, during the two Bush terms, Bush really had a policy of trying to get as many of these orders dismissed. There was integration fatigue. I think people felt like, after 40 or 50 years, that enough time had passed and that we had eliminated anything that could be related to the time before Brown, and any current discrepancies and any current disparities are related to kind of things like neighborhood and poverty and have nothing to do with race.

AMY GOODMAN: Let’s go to the principal of Central. Let’s go to Clarence Sutton Jr., speaking in the video Saving Central: One Principal’s Fight in a Resegregating South, which accompanied theProPublica investigation.

CLARENCE SUTTON JR.: If we did school 8:00 to 3:00 like we always did it, we would still be in the same spot. You just can’t do school like everyone else does school. It takes me giving up my day, my evening. It takes my wife saying, “Do what you have to do,” and be understanding. It takes a faculty to say, “We’ll come in our school free. Don’t worry about paying us. We’ll all donate two hours. We’ll come in on Saturday.” It takes that kind of people. It’s a system that’s just getting in place, but I feel like we’re 10 years behind. So we’re working faster to play catch-up. When I went to Central High School, I felt special. The whole state thought we were special. You had National Merit scholars. You had four or five foreign languages being taught. You had the best teams. You had a math national championship. But to break that up, that’s something I think I will never really understand.

AMY GOODMAN: That’s Clarence Sutton Jr., principal of Central High School in Tuscaloosa in that video by Maisie Crow. Explain who Mr. Sutton is and his role at Central.

NIKOLE HANNAHJONES: So, Dr. Sutton is the principal of Central, and he actually attended the integrated Central and then was a product of that integration and now is teaching at a school that is 99 percent black and more than 84 percent poor. And so, he really talks about the educational struggles, because it’s not just the racial segregation, but it’s also the segregation of these students by income, that you take the most disadvantaged students and concentrate them in one school, but also don’t give that school the resources. I mean, for 10 years, Central didn’t even offer a physics class. There were years where it didn’t offer advanced placement classes, while the most integrated high school had 12 advanced placement classes. Teachers who were let go of other schools could be rehired at Central. So, what people feared would happen when Central was broken apart, which was that these poor black students would be separated and written off, is largely what people say happened at Central.

NERMEEN SHAIKH: You also suggest, Nikole, that Alabama state officials actively encouraged white parents to remove their children from public schools. Why did they do that? And what was the impact of that ultimately?

NIKOLE HANNAHJONES: I think today we tend to forget that there was a reason the Supreme Court had to rule on the issue of school segregation. In the South, it was written into the law. White supremacy was written into the law. And there was a belief that black students should not attend schools with white children. And elected officials fought very virulently against desegregation. And when it became clear that the courts were going to force desegregation, white officials in Alabama and other parts of the South shut down schools. They shut down sometimes entire districts. And they also encouraged what were called segregation academies, which were white flight academies, private academies that were set up to educate white students who were for fleeing the public schools. So, a lot of times we attribute white flight to busing or to desegregation, but it really was begun and led by public officials.

NERMEEN SHAIKH: Another striking fact that you bring up in your piece is, while there was this racial segregation, there was an enormous amount of economic diversity. One of the people you profiled, James Dent, one of his classmates at Druid High School was Condoleezza Rice. So how is it that that economic diversity works together with this racial uniformity?

NIKOLE HANNAHJONES: Right. So, at the time, in Tuscaloosa and other places, every black person in the community went to the same high schools, because the schools were segregated. So, no matter how wealthy you were or how poor you were, you went to the same high school. And that economic diversity has always been very important. But now, what happens is that in—the integrated high schools are largely being integrated with more middle-class black students, and what’s left behind in these segregated schools are the poorest black students in the community. And so, not only are they experiencing no racial diversity, but they’re also experiencing no economic diversity.

AMY GOODMAN: As we wrap up, I wanted to go to the title of your investigation, “Segregation Now.” Let’s go to that famous inauguration speech by Governor George Wallace of Alabama, who had been elected as a Democrat on November 14, 1963.

GOVGEORGE WALLACE: Let us rise to the call of freedom-loving blood that is in us and send our answer to the tyranny that clanks its chains upon the South. In the name of the greatest people that have ever trod this Earth, I draw the line in the dust and toss the gauntlet before the feet of tyranny, and I say segregation now, segregation tomorrow and segregation forever.

AMY GOODMAN: That’s Democratic Governor George Wallace in his inauguration address after winning the race for governor. That was back in 1963, Nikole. That was more than a half a century ago. And that is the title of your series that you’ve spent a year investigating and writing.

NIKOLE HANNAHJONES: We chose “Segregation Now” not to necessarily say that what George Wallace predicted would be true, because it’s not. What George Wallace and others like him wanted was all-white schools. All-white schools don’t really exist anymore. But all-black schools do. And that’s the segregation today, is that 60 years after Brown, and really, I show through a single generation of one family, integration is gone for many students.

AMY GOODMAN: And yet, in New York, a study has just shown New York has the most segregated schools in the country.

NIKOLE HANNAHJONES: Absolutely. And this is one of the things where I hoped the story—excuse me—would do some myth busting, because we all up here have this perception of the South. The South did integrate. We have never seen true desegregation in the Northeast or the Midwest. And if you look at in terms of neighborhoods and schools, the most segregated parts of the country have—for black people, have consistently been in the Midwest and in the Northeast.

AMY GOODMAN: Seventy-three percent of charter schools in New York City were deemed so-called apartheid schools, where white enrollment was below 1 percent?

NIKOLE HANNAHJONES: Yes. And over all of the New York public schools, it’s about a quarter of black students. And in Chicago, it’s a third of black students are in these so-called apartheid schools. So I think there’s a lot of reckoning to be done.

AMY GOODMAN: Why apartheid schools?

NIKOLE HANNAHJONES: They call them apartheid schools because they’re 99 percent black or brown. And that’s not my terminology, but when you talk to the researchers who use this term, is they want to shock Americans with that term. They want to say—because we have kind of come to accept once again separate but equal. When you look at Race to the Top, when you look at No Child Left Behind, we’re still trying to make these separate schools equal. And never in the history of our country have we managed to do that. So I think what they’re really trying to do is say these schools are unjust, and they want to shock people with that terminology.

AMY GOODMAN: Well, Nikole, you’ve done a remarkable job. We’re going to link to your series. Nikole Hannah-Jones joined ProPublica in late 2011, covers civil rights with a focus on segregation and discrimination in housing and schools. Her major ongoing investigation is “Segregation Now: Investigating America’s Racial Divide.” And we will—her latest piece, “The Resegregation of America’s Schools.” We’ll link to it at democracynow.org.

When we come back, the new Pulitzer Prize-winning nonfiction writer Dan Fagin will join us. His book is called Toms River: A Story of Science and Salvation. Stay with us.

Fonte: Democracy Now

Ver também:

Deixe um comentário

Arquivado em Direito Constitucional, Direitos Humanos, Minorias

Juíza declara inconstitucional prática de revista policial em Nova York

US-JUSTICE-POLICE-FILES
Manifestantes fazem protesto em Nova York contra a brutalidade policial em outubro de 2011 TIMOTHY A. CLARY / AFP/Arquivo

NOVA YORK — Uma juíza federal decidiu nesta segunda-feira que a controversa política de “stop-and-frisk”, que autoriza que a Polícia de Nova York possa revistar qualquer pessoa, mesmo sem suspeitas aparentes, viola a Constituição porque é dirigida principalmente a negros e latinos – um duro golpe para o prefeito Michael Bloomberg, que prometeu recorrer da decisão. O Departamento de Polícia defende que a política tem sido utilizada para impedir crimes.

Com os números mostrando que 87% das 533.042 pessoas paradas para averiguação no ano passado eram negras ou de origem hispânica, a juíza Shira Scheindlin viu na prática violações da Constituição e “listagem racial indireta” de milhares de cidadãos nova-iorquinos. A maioria dos suspeitos é de homens jovens e inocentes.

Segundo a juíza, a prática não atende aos padrões de suspeição “razoáveis” determinados pela Suprema Corte – que permitem à polícia parar pessoas se acreditar que atividades criminosas “possam estar em andamento”. Para ela, a prática nova-iorquina tem visado deliberadamente a grupos raciais específicos, resultando na averiguação discriminatória e desproporcional de milhares de negros e hispânicos com a conivência de altos oficiais da polícia.

“Altos funcionários da cidade fecharam os olhos para evidências de que os oficiais estão praticando discriminação racial ao realizar as revistas”, escreveu ela. “Em seu afã de defender uma política que acreditam ser eficazes, eles deliberadamente ignoraram a prova esmagadora de que a política de revistar as ‘pessoas certas’ consiste em discriminação racial e, portanto, viola a Constituição dos Estados Unidos.”

A juíza também ordenou que a política seja alterada de modo que as revistas sejam baseadas em “uma suspeita razoável e de forma racialmente neutra”. Um monitor será nomeado para supervisionar as mudanças.

Na decisão de 195 páginas, a juíza não recomendou o fim da prática – mas determinou que um jurista independente, o advogado Peter Zimroth, supervisione um “amplo processo de reformas” para garantir que os procedimentos da polícia nova-iorquina estejam de acordo com a Constituição. Ela encontrou violações sistemáticas, sobretudo, dos artigos 4º (que protege o cidadão contra buscas e apreensões injustificadas pelo governo) e 14º (que garante proteção igualitária).

Bloomberg promete apelar

O caso chegou aos tribunais pela ONG Centro de Direitos Constitucionais. A organização moveu uma ação coletiva em nome de vários cidadãos que disseram ter sido parados e revistados sem justa causa. Segundo a ONG, metade das abordagens ocorre somente com perguntas. Outras vezes, porém, há revistas de bolsas, malas e sacolas e até revistas de corpo inteiro. Apenas 10% dos casos de abordagem resultam em prisão. Durante dez semanas, a juíza ouviu 12 vítimas e representantes do comando da polícia.

Quando recebi a notícia (da decisão) esta manhã, chorei – disse David Ourlicht, de 25 anos, um dos proponentes da ação, parado e revistado na St. John’s University, em 2008, segundo a polícia por andar de modo suspeito com um volume sob a roupa de inverno.

A magistrada rejeitou os argumentos da polícia de que os procedimentos são avaliados em sindicâncias internas. O número dessas abordagens polêmicas quase quintuplicou na última década: se no ano passado foram 533.042 pessoas, em 2002 esse número foi de 115 mil, de acordo com a ONG.

O prefeito prometeu apelar. Segundo ele, a prática do “pare e reviste” deixou a cidade de Nova York mais segura nos últimos anos e impediu a circulação de armas de fogo ilegais.

– As pessoas também têm direito de andar nas ruas sem serem mortas ou roubadas – declarou Bloomberg, cujo legado, segundo analistas, pode ser manchado pela decisão judicial.

Fonte: O Globo

O GLOBO (EMAIL) – COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Publicado:12/08/13 – 17h06
Atualizado:12/08/13 – 22h45
Ver também:

Deixe um comentário

Arquivado em Direito Constitucional, Direitos Fundamentais, Direitos Humanos, Minorias

Zoológicos Humanos – reportagem de Zeca Camargo

Escrevo o texto de hoje ao mesmo tempo em que assisto às celebrações do jubileu de diamante da Rainha Elizabeth – “a remakable Day, despite the gloomy weather”, como nos lembra um dos anônimos comentaristas da transmissão que vejo pela CNN (a frase pode ser traduzida apressadamente por “um dia notável, apesar do tempo sombrio”…).

[…]  Porém…

Porém é justamente sobre um desses pontos fracos que eu quero me estender aqui hoje – pois é, o tema deste post não é exatamente a “festa da rainha”, mas um outro tipo de espetáculo que teve suas origens em meados do século 18, dentro do próprio seio de uma cultura que, geralmente, sempre se orgulhou de trazer progressos – e não retrocessos – à evolução da nossa inteligência: o continente europeu. Falo dos “zoológicos humanos”, um triste registro da nossa fascinação com o diferente e o “exótico” (talvez a palavra que eu mais odeie no mundo – e o motivo disso explico daqui a pouco), reunido magistralmente numa exposição chamada “A invenção do selvagem”, naquele que é o meu museu favorito: o Quai Branly, em Paris.

Escrevo sobre isso com um certo atraso – pois vi essa mostra há algumas semanas. Oficialmente, ela terminou ontem – ou seja, nem que você tenha a oportunidade de passar por Paris nessa temporada, não vai poder mais visitá-la. Mas, para aqueles leitores e aquelas leitoras cuja curiosidade eu conseguir despertar com o texto de hoje, há sempre o site to museu, ou ainda inúmeros textos e ilustrações que você pode encontrar na internet – um dos melhores, aliás, publicado pelo jornal francês “Libération”. (O fim da exposição não deve, no entanto, desencorajar ninguém de visitar o Museu do Quai Branly, que além de seu acervo estupendo, ainda tem outras interessantíssimas exposições temporárias, como à dedicada aos “mestres da desordem”, pajés e quejandos que, desde os tempos ancestrais, tentam fazer nós humanos entendermos melhor nossa relação com o divino (que não é, claro, o time de futebol de “Avenida Brasil”…).

Esse atraso, porém, não tira nem um pouco a força do impacto que “A invenção do selvagem” teve sobre mim – e que quero agora dividir com você. Na última segunda-feira, coloquei aqui uma pequena amostra do que vi na exposição: um trecho de um filme feito em 1933, naquilo que parecia ser uma “feira de culturas exóticas” (de novo essa palavra!). Nas imagens, dois membros da “tribo do capitão Hiak”, executam o que parece ser uma “dança selvagem”, sob o comando feroz do chicote de um capataz, para o deleite dos transeuntes. Se o detalhe lhe escapou, as imagens são de 1933 – “apenas” 80 anos atrás, quando o mundo, apenas para dar uma situada, já havia passado por uma Guerra Mundial e estava prestes a embarcar na segunda. Quando, claro, esperava-se um pouco mais da humanidade… Se, por ventura, o fato de que uma imagem tão absurda tenha acontecido há tão pouco tempo não te incomodar, não sei se é o caso de você continuar lendo o blog hoje… No entanto, se você achar que isso já era um absurdo, mesmo para a época – e ainda desconfiar que o tipo de fascinação que espetáculos como esse exerciam nas audiências de então tem desdobramentos na nossa cultura pop hoje – então venha comigo, pois vou lhe contar mais algumas coisas que passaram pela minha cabeça quando visitei “A criação do selvagem” no Quai Branly.

Os “zoológicos humanos”, como alternativa de diversão, já tinham passado marginalmente no meu radar. Registros de “selvagens” que chegavam à nobre cultura europeia da época das grandes explorações coloniais sempre me fascinaram. O garoto aborígene que veio da Austrália e esperava tornar-se um lorde. A africana da bunda desproporcionalmente grande que escandalizou Paris (a “Vênus hotennote”, que figura na exposição). Os índios – daqui das nossas matas mesmo – que aprendem a conviver com os brancos. Os esquimós que conquistaram os americanos. Os pigmeus que fascinaram os ingleses. Bebi em todas essas histórias com uma fascinação mórbida pela nossa capacidade de rejeitar o diferente – sempre nos esquecendo de que o que nos separa de uma criatura “exótica” (sim, de novo!) é o simples fato de termos nascido casualmente num lugar e não no outro. E o que estava vendo ali no Quai Branly era uma prova atrás da outra de que nossa estupidez e nossa pobreza de espírito é, infelizmente, infinita. Nossa recusa em trocarmos algo com o que é novo é simplesmente o aspecto mais imbecil da nossa condição.

Levados por acaso à Europa por exploradores que, a princípio, estavam mais preocupados em trazer bens materiais do que culturais, esses “exemplares humanos” tornaram-se imediatamente objetos de especulação e curiosidade. Viviam, claro, à margem de uma sociedade que não sabia muito bem o que fazer com eles – e, na impossibilidade de agregá-los, encontrou na “jaula” (muitas vezes não necessariamente um espaço com grades, mas um confinamento disfarçado, ou melhor “estilizado” com elementos da origem daqueles “seres”) uma das melhores, e eventualmente mais lucrativas, saídas para contornar um problema incipiente: o choque cultural, que teria consequências até nossos dias (e ainda vai ter por um bom tempo). Nasciam aí, em meados do século 19, os tais zoológicos humanos: espaços diferenciados, montados para usar os “selvagens” e seu estilo de vida como uma maneira de entreter os “evoluídos” europeus. (Cito sempre a Europa porque, em sua maioria, os registros da exposição são de lá, mas os Estados Unidos também exploraram bem esse “exotismo” – argh! – sobretudo com suas tribos indígenas nativas, numa caricatura que durou até os tempos áureos de Hollywood, ou com povos de outras bandas, como o Alaska ou Havaí).

E que grande diversão eles proporcionavam! “Lez Zoulous!” – anunciava um cartaz com africanos empunhando escudos e armas, vestidos em trajes sumários (o espetáculo era destaque do Folies-Bergère, uma das casas mais famosas de espetáculos da “belle époque” francesa). “As três tigresas graciosas!” – alardeava um outro pôster do Olympia (outra casa de shows), “vendendo” a imagem de três africanas com manchas “albinas” no rosto e no cabelo. “Índios Galibis!” – provocava um outro painel de um “Jardim Zoológico de Aclimatação” (um eufemismo criado para minimizar o choque de colocar humanos num zôo!), ilustrado com homens, mulheres e crianças (!) de uma tribo oriunda da Guiana Francesa. “Les malabares!” – gritava mais um “outdoor” da época, comunicando que os incríveis equilibristas e acrobatas indianos estavam na cidade. Era diversão para todo mundo! Menos, claro, para quem estava sendo exposto…

O fato de um espetáculo tão grotesco como esse ter sobrevivido por décadas – justamente num período em que a humanidade parecia redescobri o conhecimento – é mais do que anacrônico. Para este visitante da exposição, é inaceitável! Meu problema com a palavra “exótico” é justamente o fato de ela ser um rótulo vazio. Chamar alguma coisa de “exótico” significa afastá-lo da sua curiosidade – um convite a apreciar alguma coisa apenas na sua superficialidade. Registrar com uma foto, fazer um comentário irônico, e passar adiante, sem registrar nada com relação às inúmeras possibilidades que o “diferente” sempre abre diante da mente curiosa.

Como viajante ávido, evito a noção do “exótico” como a um mosquito que pode me infectar com uma doença tropical. Não há nada que empobrece mais nosso contato com uma cultura nova do que o preconceito de que a olhamos de um patamar superior. Cansei de ver isso atravessando este mundo – e fico sempre triste ao ver o desinteresse que as pessoas têm diante do novo. Por que viajam então? Que tipo de registro levam de volta para casa as pessoas que se limitam a apenas tirar uma foto distante de algo que não têm coragem de se aproximar? E, pior, porque assumir que aquela diferença que separa nossas culturas deve ser ridicularizada?

Uma das vitrines mais “revoltantes” da exposição “A criação do selvagem” – título que, como você já pode imaginar a essa altura, refere-se à origem da noção de uma cultura nova como algo que devemos temer – traz uma máscara/capuz representando uma cabeça de negro, vendida como curiosidade nos Estados Unidos nos anos 20. Não chega a ser novidade – faça uma rápida pesquisa de imagens com as palavras “nega maluca” no Google para ver o que você acha , aqui mesmo no Brasil (e não exatamente nos primórdios do século 20…). Mas ter visto aquela máscara ali, no meio de todos aqueles pôsteres e imagens de tribos e culturas que para mim sempre foram motivo de aproximação (e não de repulsa), embrulhou-me o estômago.

Nem por isso – ou talvez por causa disso mesmo –, essa visita ao Quai Branly foi menos fascinante. Instrutiva até! Com essa exposição, o museu mais uma vez cumpriu sua função principal que é a de nos fazer refletir sobre as coisas que nós mesmo, humanos, produzimos. Assim como eu, acredito que mais pessoas saíram ligeiramente perturbadas de “A invenção do selvagem”, e essa perturbação é, acredite, bastante positiva. Está comigo até hoje. Tanto que, ao ver a festa do jubileu de diamante da rainha, novamente me questionei sobre o tipo de espetáculo que mais gostamos de ver hoje. E o mais divertido de tudo foi imaginar o que um curador do próprio Quai Branly no início do século 22 selecionaria para uma exposição sobre como as pessoas do início do século 21 se divertiam com o “selvagem” de maneira não muito distante dos europeus dos séculos 19 e 20…

Algum programa de TV que anuncia o diferente, o “exótico”, o bizarro, como motivo de piada, talvez? Veja bem que não estou citando nenhum nome… Se você pensou num deles, quem sabe não é porque você também pensa assim?

Ah, nós humanos… Tão evoluídos…

O refrão nosso de cada dia

“That’s entertainment”, The Jam – por que será que me lembrei de uma canção como essa hoje – um pequeno clássico do The Jam, que brinca justamente com a noção do que é entretenimento para as pessoas? Alguma coisa a ver com a exposição “A invenção do selvagem”? Será? Convido você a encontrar as respostas… (e, de quebra, aproveitar um dos melhores refrões de todos os anos 80!).

Fonte: G1

Deixe um comentário

Arquivado em Direito Constitucional, Direitos Humanos, Minorias

A Cor dos Homicídios no Brasil – 2012 – aumento de homicídios contra negros

BRASIL

BRASIL

As mortes por assassinato entre os jovens negros no país são, proporcionalmente, duas vezes e meia maior do que entre os jovens brancos. Em 2010, o índice de mortes violentas de jovens negros foi de 72, para cada 100 mil habitantes; enquanto entre os jovens brancos foi de 28,3 por 100 mil habitantes. A evolução do índice em oito anos também foi desfavorável para o jovem negro. Na comparação com os números de 2002, a taxa de homicídio de jovens brancos caiu (era 40,6 por 100 mil habitantes). Já entre os jovens negros o índice subiu (era 69,6 por 100 mil habitantes).

Os dados fazem parte do “Mapa da Violência 2012: A Cor dos Homicídios no Brasil”, divulgado nesta quinta-feira (29) em Brasília, pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-Americanos (Cebela), a Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais (Flacso) e a Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (Seppir).

De acordo com o professor Julio Jacobo, responsável pelo estudo, os dados são “alarmantes” e representam uma “pandemia de mortes de jovens negros”. Entre os fatores que levam a esse panorama, ele cita a “cultura da violência” –tanto institucional como doméstica, e a impunidade. Segundo o professor, em apenas 4% dos casos de homicídios no Brasil, os responsáveis vão para a cadeia.

“O estudo confirma que o polo de violência no país são os jovens negros e não é por casualidade. Temos no país uma cultura que justifica a existência da violência em várias instâncias. O Estado e as famílias toleram a violência e é essa cultura que faz com que ela se torne corriqueira, que qualquer conflito seja resolvido matando o próximo”, disse Jacobo.

O professor defende políticas públicas mais amplas e integradas para atacar a questão, principalmente na área da educação.

“Há no país cerca de 8 milhões de jovens negros que não estudam nem trabalham. As políticas públicas de incorporação dessa parcela da população são fundamentais para reverter o quadro”.

Ainda segundo o estudo, a situação mais grave é observada em oito Estados, onde a morte de jovens negros ultrapassa a marca de 100 homicídios para cada 100 mil habitantes. São eles: Alagoas, Espírito Santo, Paraíba, Pernambuco, Mato Grosso, Distrito Federal, Bahia e Pará. A análise por municípios é ainda mais preocupante: em Simões Filho, na Bahia, e em Ananindeua, no Pará, são registrados 400 homicídios de jovens negros por 100 mil habitantes.

O professor enfatizou que as taxas de assassinato entre a população negra no Brasil são superiores às de muitas regiões que enfrentam conflitos armados. Jacobo também comparou a situação brasileira à de países desenvolvidos, como Alemanha, Holanda, França, Polônia e Inglaterra, onde a taxa de homicídio é 0,5 jovem para cada 100 mil habitantes.

“Para cada jovem que morre assassinado nesses países, morrem 106 jovens e 144 jovens negros no Brasil. Se compararmos com a Bahia, são 205 jovens negros para cada morte naqueles países; e no município baiano de Simões Filho, que tem o pior índice brasileiro, são 912 mortes de jovens negros para cada assassinato de jovem”, disse.

O secretário-executivo da Seppir, Mário Lisboa Theodoro, enfatizou que o governo federal tem intensificado as ações para enfrentar o problema que classificou de “crucial”. Ele lembrou que foi lançado em setembro, em Alagoas, o projeto Juventude Viva, para enfrentar o crescente número de homicídios entre jovens negros de todo o país. A iniciativa prevê aulas em período integral nas escolas estaduais, a criação de espaços culturais em territórios violentos e o estímulo ao empreendedorismo juvenil, associado à economia solidária.

O Juventude Viva, programa coordenado pela Secretaria Nacional de Juventude em parceria com oito ministérios (Secretaria-Geral, Seppir, Justiça, Saúde, Educação, Trabalho e Emprego, Cultura e Esporte), é a primeira etapa de uma ação mais ampla –o Plano de Prevenção à Violência Contra a Juventude Negra. A meta do governo é expandir o programa no primeiro semestre de 2013 para mais cinco unidades federativas: Paraíba, Espírito Santo, Distrito Federal, Bahia e Rio Grande do Sul.

“O objetivo é garantir um conjunto de serviços às comunidades onde esses jovens residem, como infraestrutura, além de fornecer oportunidade de estudo e de ocupação para eles, aproveitando inclusive os eventos esportivos que o Brasil vai sediar, como a Copa do Mundo”, disse Theodoro.

Fonte: Uol

 Ver também:

 

Deixe um comentário

Arquivado em Direito Constitucional, Direitos Humanos, Minorias

Vítima conhece seu agressor na maioria dos casos de homofobia

Homens, gays, negros, entre 15 e 29 anos, agredidos dentro de casa por familiares e vizinhos. Esse é o perfil da maioria das vítimas de homofobia no país.

Por dia são feitas 19 denúncias de violência motivadas por homofobia, segundo relatório da Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência. É primeira vez que o governo divulga dados oficiais sobre o tema.

O estudo usou dados coletados em 2011 pelo Disque 100, que recebe e verifica relatos de violações dos direitos humanos, somados a registros da ouvidoria do SUS, da Secretaria de Políticas para Mulheres e do Conselho Nacional de Combate à Discriminação.

Ao todo, foram registradas 6.809 denúncias. Em 62% dos casos o suspeito era conhecido da vítima -familiares e vizinhos respondiam por mais da metade das agressões.

Os registros de violência supostamente cometida por desconhecidos foi de cerca de um terço do total. Em 9% dos casos, o suspeito não teve a identidade informada. Grande parte das agressões ocorreu na casa da vítima (42%). A rua foi palco de 31% dos casos informados.

O estudo ainda traça um perfil dos suspeitos: 40% é homem, heterossexual e tem de 15 a 29 anos.

“Isso mostra que os jovens são as maiores vítimas e também os maiores agressores“, diz Gustavo Bernardes, coordenador de direitos LGBT da Secretaria Nacional de Direitos Humanos.

Ele crê que o número de agressões seja maior porque nem todos denunciam. A denúncia predominante foi de violência psicológica (42,5%), como humilhações e ameaças, seguida de discriminação (22%) e de violência física (16%). A maioria aponta mais de um agressor.

Para a presidente da Comissão de Diversidade Sexual da OAB, Maria Berenice Dias, a ausência de uma lei que criminalize a homofobia faz a maioria das denúncias ficar impune. “Acaba condenando à invisibilidade todas essas agressões”, afirma.

Mario Kanno/Editoria de Arte
Fonte: FOLHA

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria