Arquivo da tag: grécia

Políticas econômicas de “austeridade” têm efeito devastador na saúde

A austeridade está a ter grandes efeitos nefastos na saúde dos europeus e dos norte-americanos, conduzindo ao aumento dos suicídios, depressões e doenças infecciosas, nomeadamente por reduzir o acesso a medicamentos e cuidados de saúde, alertam especialistas.

Austeridade tem efeito devastador na saúde dos europeus

Aumento do número de suicídios, depressões e doenças infecciosas. São algumas das consequências nefastas das políticas de austeridade que estão a ser implementadas na Europa e nos EUA e que estão a ter efeitos graves na saúde dos europeus e dos norte-americanos.

Quem o diz são os autores de uma investigação levada a cabo ao longo da última década. O economista político da Universidade de Oxford, David Stuckler, e o professor assistente de Medicina e epidemiologista Sanjay Basu, dizem, citados pela Reuters, que as suas descobertas mostram que a austeridade é fortemente prejudicial para a saúde.

Os nossos políticos têm de ter em conta as graves – e em alguns casos profundas – consequências na saúde das escolhas económicas”, alerta David Stuckler, co-autor de ‘The Body Economic: Why Austerity Kills’ [O Corpo Económico: Porque é que a Austeridade Mata’].

 

“Os efeitos que encontrámos incluem surtos de HIV e malária, a falta de medicamentos essenciais, a perda do acesso aos cuidados de saúde, e uma epidemia evitável de abuso de álcool, depressões e suicídios“, adiantou o especialista num comunicado, frisando que “a austeridade está a ter um efeito devastador.”

No livro publicado esta semana, os investigadores apontam que houve mais de 10.000 suicídios e foram diagnosticados um milhão de casos de depressões durante o que chamam de “Grande Recessão”, que está a castigar a Europa e os Estados Unidos.

Só na Grécia, medidas como o corte do orçamento na prevenção do HIV motivaram o aumento em mais de 200% da incidência do vírus, desde 2011, nomeadamente na sequência do aumento do abuso de drogas num contexto de elevado desemprego jovem.

Além disso, mais de cinco milhões de americanos perderam o acesso a cuidados de saúde durante a última recessão, de acordo com os dois especialistas, enquanto na Grã-Bretanha, cerca de 10.000 famílias foram forçadas a viver nas ruas devido às políticas de austeridade.

 

Fonte: Notícias ao Minuto

Deixe um comentário

Arquivado em Democracia, Direitos Humanos

Democracia Grega? Coluna do professor Alexandre Bahia

Democracia Grega?

Por Alexandre Bahia

De forma histórica (e bem “romântica”), fazemos referência à Grécia como o berço da democracia. Os acontecimentos dos últimos dias, no entanto, nos fizeram questionar sobre o que seria, para nós, hoje em geral e para os gregos (modernos) em particular o que ainda pode significar “democracia” como “governo do povo para o povo”.

Na época clássica as cidades-estado (“polis”) eram governadas pelos cidadãos que decidiam tudo de forma debatida e consensual, reunidos na “ágora”. Inspirados nesse ideal os Iluministas pensaram a substituição das relações feudais de poder pelo “demo” (povo) + “cratos” (regime). Foi a partir dos gregos, que, em geral, foi construído o edifício do que entendemos por “democracia” moderna. Rousseau, por exemplo, construiu a ideia de “vontade geral” imaginando um Estado onde não houvesse intermediários ou representantes, mas, o próprio povo ditasse as normas aos órgãos executivos. É claro que a democracia moderna possui dois diferenciais essenciais na grega clássica: na Grécia a democracia era direta (sem representantes), mas isso só era possível porque apenas uma pequena parcela da população configurava o “povo”: homens adultos livres (não mulheres, crianças e nem escravos). Hoje a democracia é de “massa”, em territórios bem mais extensos que as “polis”, logo, representativa, com todos os problemas que daí advém.

No entanto, a despeito de ser “representativa”, a soberania popular permanece com o povo. Todas as Constituições atuais consagram essa ideia iluminista que, de alguma forma, mantém, implicitamente, o ideal forjado já em fins da Idade Média do direito do “povo” se rebelar contra governos que violassem as normas (sagradas, imutáveis e “naturais”) do bem comum. Esse é um dado importante: por todo o globo as democracias representativas enfrentam problemas de legitimidade: os canais de comunicação entre a “periferia” (povo) e o “centro” (parlamento), em geral, não têm funcionado como deveriam.

Pois bem. Justamente a Grécia tem sido palco de um “drama” (sim, porque eles também foram os inventores do teatro e dos gêneros da comédia e da tragédia): os gregos hoje sofrem com a crise econômica mundial, que tem afetado a Europa e, particularmente, os países “periféricos” da zona do euro – Irlanda, Portugal, Espanha e Grécia –, que haviam atraído muitos investidores internacionais com a mágica de juros altos. É dizer, esses investidores sabiam do risco de seu investimento, mas resolveram se arriscar em nome da possibilidade de grandes ganhos. Afinal, essa é a tônica da globalização, certo? Errado! Diante da crise e da impossibilidade de Grécia de arcar com seus pagamentos, os grandes investidores, ao invés de “absorverem” o prejuízo de seus investimentos arriscados, reclamaram seus títulos a qualquer preço. E o preço tem sido o sacrifício dos mais pobres da Grécia.

Bom, mas se estamos falando de uma democracia, logo, então, o povo deve ter a possibilidade de “falar” a respeito, certo? Errado de novo! Quando o governo grego acenou com a possibilidade de se fazer um referendo para que o “povo” dissesse se aceita ou não as medidas de “austeridade” impostas pela União Europeia (e pelo FMI), houve uma tal comoção nos mercados que o governo foi obrigado a voltar atrás – além de ter tido de renunciar ao seu cargo. Assim é que os gregos (e também portugueses) chegaram à seguinte bifurcação: OU democracia OU capitalismo. Será possível que, nessa quadra da história, chegamos a esse ponto?

viajoseluizquadrosdemagalhaes: 806- Democracia Grega? Coluna do professor Alexandre Bahia.

Deixe um comentário

Arquivado em Sem categoria